Juiz acata pedido de CPI e bloqueia bens da JBS no Estado

05/10/2017

dsc08812_1


O Juiz Alexandre Antunes da Silva, da 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Mato Grosso do Sul acatou hoje o pedido de bloqueio de bens da JBS, no valor de R$ 115.925.515,69, movido pela CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) das Irregularidades Fiscais e Tributárias.


A decisão foi anunciada pelo presidente da Comissão, deputado Paulo Corrêa, acompanhado pelo presidente da Assembleia, deputado Junior Mochi, e pelo advogado da CPI, Luiz Henrique Volpe Camargo, durante entrevista coletiva realizada na Casa de Leis na tarde desta quinta-feira (05).


O pedido de liminar de tutela cautelar antecedente foi impetrado na semana passada e refere-se ao TARE (Termo de Ajuste de Regime Especial) 1103/2017, firmado na gestão do governador Reinaldo Azambuja, no valor de R$ 285 milhões e concessão de R$ 99, 75 milhões em incentivos fiscais à JBS em troca de investimentos em máquinas e equipamentos. A CPI considerou que os TAREs não foram cumpridos em função de que  identificou 93% de notas inidôneas.


Durante a coletiva Paulo Corrêa explicou que o bloqueio é uma garantia para que o Estado possa recuperar o valor referente aos incentivos concedidos à empresa, já que no o acordo de leniência homologado em agosto com a Procuradoria Geral da República, no valor de R$ 10,3 bilhões, não há previsão de ressarcimento aos estados que sofreram prejuízos com as ações da empresa.


“Esse bloqueio de bens foi uma grata surpresa. Queremos comemorar esta vitória. É uma medida que garante ao nosso estado a devolução do valor apurado”, afirmou.


Paulo Corrêa disse ainda nesta semana a CPI deve entrar com um novo pedido de bloqueio de bens para garantir a devolução de mais 615 milhões referentes aos outros quatro TARE’s assinados entre a JBS e Mato Grosso do Sul, nos governos André Puccinelli, para saída de gado em pé do Estado. Nos quatro Termos a empresa se comprometeu a aumentar o abate e o número de vagas de emprego, o que também não foi cumprido. Outra irregularidade apurada pela CPI neste TAREs, foi a repetição de notas fiscais, que chegou a ser de 40% do total apresentado pela empresa.


“Amanhã vamos entrar com a outra ação de solicitação de bloqueio. Fizemos as ações separadamente porque são dois assuntos diferentes. O primeiro Tare se referia a investimento no estado e esses outros são de saída de boi em pé”, explicou. 


O pedido de bloqueio deferido hoje prevê a indisponibilização dos recursos da JBS encontrados nos bancos, por meio do BACENJUD, que é um sistema de comunicação eletrônica entre o Poder Judiciário e as instituições financeiras, por intermédio do Banco Central, com transferência do valor bloqueado para a conta única de depósitos judiciais do Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul.


A decisão prevê também bloqueio de oito imóveis de propriedade da JBS em MS. Com isso, os imóveis não podem ser vendidos ou alienados. No entanto, a decisão não interfere nas atividades operacionais das unidades.


Agora, o prazo para a CPI ou o Estado apresentar a ação principal é de 60 dias e o processo deverá transitar em segredo de justiça por conter informações protegidas por sigilo fiscal.


O advogado Luiz Henrique Volpe Camargo explicou que a decisão da CPI de entrar com a ação, antes mesmo de finalizar o relatório, é fundamental para que no futuro o Estado consiga reaver os valores dos incentivos concedidos à JBS, já que impede a empresa de fazer qualquer negociação envolvendo os imóveis bloqueados.
“Se a CPI não tivesse tomado essa medida emergencial poderia ser que daqui a dois ou três meses essa empresa já não tivesse mais patrimônio suficientes para responder por essa dívida”, explicou.

Relatório Final


O relator da CPI, deputado Flávio Kayat afirmou que relatório final deve ser entregue no próximo dia 27 de outubro e votado pelos membros uma semana depois.
Após a votação o relatório será enviado ao Ministério Público e à CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito), do Congresso Nacional, com qual a CPI Estadual firmou termo de cooperação.

Texto: Edilene Borges


Notícias Relacionadas


Infraestrutura

Nioaque

23/08/2016

Status da Obra:


Construção de Centro Comunitário na Aldeia Água Branca

Paulo Corrêa solicitou ao Governo do Estado e às secretarias competentes a construção de um Centro Comunitário para Eventos Coletivos, na Aldeia Água Branca. 



Infraestrutura

Nioaque

28/06/2016

Status da Obra:


Paulo Corrêa solicitou melhorias para Aldeias de Nioaque

Paulo Corrêa encaminhou ao Governo do Estado diversas indicações solicitando melhorias para as comunidades indígenas de Nioaque. Foram solicitados Kits Horta para a Aldeia Cabeceira e construção de uma ponte de concreto na divisa da Aldeia Cabeceira com a Aldeia Água Branca. 



Infraestrutura

Iguatemi

28/06/2016

Status da Obra:


Patrulha mecanizada para o Assentamento Rancha Loma

Paulo Corrêa solicitou ao Governo do Estado, por meio da Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural), aquisição de uma patrulha mecanizada agrícola para atender a população do Assentamento Rancho Loma. 



Infraestrutura

Miranda

23/06/2016

Status da Obra:


Veículos para as comunidades indígenas

Paulo Corrêa encaminhou indicação ao governo do Estado solicitando uma camionete para a Secretaria Municipal de Assuntos Indígenas de Miranda. O veículo será utilizado para atender as comunidades indígenas da região. 



Infraestrutura

Nioaque

23/06/2016

Status da Obra:


Quadra Poliesportiva Coberta na Aldeia Água Branca

O deputado Paulo Corrêa solicitou ao Governo do Estado e às secretárias competentes a construção de uma Quadra Poliesportiva Coberta para atender os alunos das Escolas Indígenas da Aldeia Água Branca e toda a população local. 


Paulo Corrêa Nas redes sociais

Siga o Deputado nas redes sociais e acompanhe o ele está fazendo pelo desenvolvimento do nosso Mato Grosso do Sul